sobre

E82A0523.jpg

Convidamos um ghost-writer para escrever dez cartas dentro de um período de cem anos para uma certa Ivone. Ela pode ser a coreógrafa Yvonne Rainer, mas qualquer outra pessoa cujo nome tenha o mesmo som. Enquanto lemos as cartas em cena, desmontamos e remontamos continuamente uma cadeira, fazendo do desmonte e da precariedade um modo de vida.

materiaIVONE

 

 

2016 | 50min

estreia na oficina cultural oswald de andrade

Concepção e performance

Renan Marcondes

Colaboração

Artur Kon

Clarissa Sacchelli

Produção

Tetembua Dandara

créditos: Cacá Bernardes

ficha

E82A0535.jpg
E82A0480.jpg
E82A0695.jpg
45536_feb15_dia.jpg

pesquisa

Materia IVONE surge da necessidade de continuar em meio a um cenário em constante desmonte. Para tanto, os artistas Carolina Callegaro e Renan Marcondes encomendaram dez cartas escritas por um ghost-writer para uma certa Ivone durante cem anos (2016- 2116). Essas cartas, lidas em cena, coreografam um modo de existência experimental que transita entre a banalidade, o afeto e a tentativa de se manter em contínuo movimento, mesmo que os espaços aparentemente seguros comecem a se desfazer. Os artistas se revezam entre a leitura das cartas, o desmonte de uma cadeira de madeira e a execução de uma coreografia em loop cujos gestos simples revelam detalhes particulares de cada corpo que dança.

O trabalho é resultado de uma pesquisa realizada ao longo de um ano a partir da obra Trio A, da coreógrafa Yvonne Rainer e da carta escrita pela artista Lygia Clark para Piet Mondrian. Sem nenhum tipo de apoio financeiro, os artistas pararam por um tempo de dedicar seus ensaios a escrever projetos para editais e começaram a escrever trechos de cartas para uma Ivone jamais conhecida, mas repleta de afeto, substituindo a espera incerta pela inevitável continuação.